terça-feira, 8 de setembro de 2015

Stavigile: o segredo para o sucesso?

O Stavigile recebeu o carimbo de eficaz e seguro de uma das mais respeitadas publicações científicas. Será que ele será usado em larga escala pela sociedade para aumentar o desempenho intelectual?

Se eu lhe oferecesse um comprimido capaz de turbinar seu cérebro, você aceitaria? Se você respondeu com um "não" bem firme, então deixe-me reformular a pergunta.

Você usaria um medicamento - livre de efeitos colaterais sérios e risco de dependência - que lhe tornasse mais afiado e lhe garantisse uma vantagem competitiva na preparação para vestibulares ou concursos?

Não é uma proposta tentadora? Se o seu "não" agora se transformou num "talvez", então o mais surpreendente é: eu não estou falando de uma substância hipotética. Em vez de fantasia, a era da neurocosmética - de aperfeiçoar o próprio cérebro - já é uma realidade.

Por exemplo, conhecemos hoje uma variedade de nootrópicos - substâncias que aumentam exponencialmente o foco e a capacidade de aprender (clique aqui para saber mais  sobre 16 substâncias capazes de melhorar o seu desempenho intelectual). Mas, agora, eu estou falando de uma pílula que não só te deixa mais inteligente, mas também te deixa acordado - às vezes por 88 horas seguidas.

Não estou falando de uma pílula da inteligência que acabou de ser inventada nos recônditos do laboratório secreto do Pentágono. Também não estou falando dos estimulantes clássicos como a cafeína e a Ritalina. Estou falando de uma substância moderna, de mecanismo de ação sofisticado - e que existe numa farmácia bem perto.


Surge o Stavigile
Parque industrial da Libbs, em Embu das Artes. Foto divulgada pela empresa no LinkedIn
Em dezembro de 2008, a Anvisa deu o sinal verde para que os laboratórios Libbs (foto acima) produzissem e comercializassem a modafinila nacionalmente (1). Foi o resultado de quase três anos de análises pela nossa agência reguladora - a Libbs enviara a solicitação de produção de modafinila em janeiro de 2006. 

Finalmente, a modafinila chegou às nossas farmácias com o nome sugestivo Stavigile. Mas o Stavigile não está aí, nas farmácias, com o intento de tornar as pessoas saudáveis mais saudáveis ainda, com cognição ainda mais afiado. Mas, sim, serve para tratar de doentes. Não é (ou não deveria ser) um neurocosmético, mas, sim, um remédio que permite que doentes tenham vidas normais.

E qual  é essa doença que o Stavigile trata?

A assessoria de imprensa da Libbs nos disse. Quando questionada sobre o uso da modafinila para aumento do desempenho cognitivo, apenas reiterou ao blog as informações já dispostas na bula. Por email, a assessoria diz que "o Stavigile é indicado para o tratamento da sonolência excessiva diurna associada à narcolepsia"; reforçando que a narcolepsia deve ser obrigatoriamente diagnosticada por um exame e o que o remédio exige prescrição médica.

Capa do "A Hora do Pesadelo"
Narcolepsia é a última doença que você iria querer ter caso estivesse no filme A Hora do Pesadelo. Trata-se de um distúrbio neurológico que causa ataques de sono irresistíveis. No meio do dia, em público, conversando, a qualquer momento: a pessoa sente uma sonolência terrível, contra a qual não há luta.

Para pessoas saudáveis, porém, o Stavigile também funciona no objetivo de afastar o sono. E funciona muito bem. Um estudo conduzido Air Force Research Laboratory, dos EUA, administrou doses de 400 mg diárias (divididas em doses menores ao longo do dia) para doze voluntários. 

Resultado: eles conseguiram sustentar a vigília por incríveis 88 horas, com alerta e desempenho muito melhores do que quando usavam placebo (2)

Mas como o Stavigile permite manter uma pessoa acordada por tanto tempo? Ele faz isso de um modo único e sofisticado - que o torna bem diferente de todos os outros estimulantes que existem.

Como o Stavigile age no cérebro
Outros estimulantes, como a Ritalina, colocam um pé do seu cérebro no acelerador. O Stavigile simplesmente faz o que os demais estimulantes falham em realizar: tirar o outro pé do freio. Ele bloqueia os mecanismos cerebrais que lhe causam sonolência.

A "Rita" aumenta a concentração de mensageiro químicos estimulante - a dopamina e a noradrenalina - no espaço de comunicação entre dois neurônios. Mas o excesso de estímulo faz com que o mecanismo da Ritalina se aproxime do da cocaína. Ela pode causar euforia, ansiedade e agitação (3).

Apesar de o Stavigile ter certa afinidade com o sistema dopaminérgico, a principal ação da droga está em aumentar a histamina. O nome pode parecer estranho. Mas quem já tomou o famoso Dramin, sabe que ele dá um sono danado. É porque o Dramin é um anti-histamínico - isto é, bloqueia a histamina. 

Stavigile permite desligar os mecanismos que fazem o cérebro
sonolento - em vez de apenas simplesmente acender os
 artefatos que estimulam o alerta, como faz a Ritalina
Através do estímulo da hipocretina (que regula o sono e a fome), o Stavigile impulsiona a liberação da histamina. O oposto do Dramin. Isso reduz a sonolência e aumenta a vigília (4). E, por fim, o Stavigile também combate o GABA, um neurotransmissor sedativo cujo acúmulo causa sono (5).

Ou seja: em vez de simplesmente causar um aumento de moléculas estimulantes, o Stavigile trabalha no sentido de impedir os mecanismos do cérebro que sinalizam que é hora de pregar os olhos. Quem toma modafinila e não está cansado, por isso, tende a sentir pouca coisa além de um aumento na concentração. 

Os efeitos se tornam mais perceptíveis com a privação de sono. Esse mecanismo de ação sofisticado (de "estimular quando o estímulo é necessário") permite que o Stavigile mantenha sua concentração, alerta e produtividade mesmo quando você está há dias sem dormir; e, caso você não esteja sonolento, apenas te deixe um pouco mais alerta.

O uso do Stavigile fora das indicações da bula
Justamente por isso que o grupo que talvez menos consuma o Stavigile são os portadores da narcolepsia. Tanto aqui, quanto no exterior, a modafinila tem mantido estudantes e executivos acordados por horas a fio. Mesmo em claro por mais de 40 horas, eles conseguem se manter produtivos e no ápice de suas capacidades intelectuais. Sem um bocejo.

Em 2012, a reportagem da ABC apurou um aumento de 74% na venda de Provigil, nome comercial da modafinila nos Estados Unidos da América
Os militares usam, os atletas usam, os astronautas usam, os ricaços de Wall Street e os nerds do Vale do Silício usam - como nos narram os veículos de notícia do exterior. Na terra do tio Sam, o consumo da modafinila, vendida sob o nome Provigil, aumentou 74% em apenas 4 anos (6). 

E as estatísticas mostram que o uso off label, isso é, prescrição para qualquer coisa que não seja a indicação da bula, é muito maior que o uso on label. No Brasil, não há nenhuma estatística nesse sentido. Mas também é claro que muitos médicos o prescrevem sem qualquer exame ou cautela.

O que sabemos é que o uso do Stavigile entre aqueles que não se contentam com a cafeína para se manter acordados é cada vez mais comum. Pelo menos, uma pequena pesquisa no Google Search e no Twitter permite encontrar vários relatos de usuários da modafinila.

Jovem do primeiro tweet relata ter permanecido dois dias e meio acordado - tempo suficiente para ler e memorizar 4 livros inteiros.
E o Stavigile funciona?

Os usuários do Stavigile encontrados nos relatos online apregoam que a droga é capaz de transformá-los numa espécie de máquina de estudos super produtiva. Acordados por quase três dias, com a capacidade de raciocínio no ápice, com energia e pique para estudar, trabalhar sem fim, mais memória e distração mínima. 

E, no fim dessa jornada, eles precisam dormir apenas as oito horas que qualquer pessoa normal dorme para se sentirem revigorados. O Stavigile, aparentemente, não cobra o déficit de sono. Diferente do que ocorre com outros estimulantes, ele não te força a repor as horas perdidas depois.

E mais: a droga tem menor potencial de abuso e menos efeitos no sistema cardiovascular que a Ritalina e a cafeína. Também causa menos ansiedade e agitação que essas. Permite que o usuário se mantenha focado em sua tarefa, sem euforia (7). Parece muito bom para ser verdade, não é?

Então: o Stavigile realmente funciona para "turbinar o cérebro"?

Resposta curta: funciona, sim. Resposta longa: a droga acabou de receber um carimbo de "eficiência e segurança" da publicação oficial do respeitado European Neuropsychopharmacology (8). Dois cientistas de Oxford analisaram e cruzaram os dados de toda a literatura científica que estudava os efeitos cognitivos da modafinila em pessoas saudáveis, sem falta de sono. 

Depois da epopeia por 24 artigos científicos, eles cravaram a última estaca que faltava para alavancar o interesse de estudantes e executivos competitivos pela modafinila. Os dois cientistas apresentaram ao mundo, em agosto de 2015, a seguinte conclusão: a modafinila é capaz de aumentar o desempenho de pessoas saudáveis em tarefas intelectuais.

Em especial nos exercícios cognitivos mais complexos, que requerem o máximo de inteligência, a modafinila realmente "turbinava o cérebro" dos voluntários dos estudos. Os autores enumeram os benefícios: planejamento e tomada de decisões, flexibilidade, aprendizado e memória de longo prazo (capacidade de absorver e armazenar informações) e criatividade.

"Segura se usada por curtos períodos"
Neurocientista diz que o uso em longo prazo pode ser arriscado. Não há pesquisas avaliando o efeito da modafinila, em longo prazo, em cérebros saudáveis.
Além disso, os autores desse estudo relataram que, ao analisar todos os dados, a modafinila apresentou um bom perfil de segurança, com efeitos colaterais mínimos e raros. "É certamente mais seguro que as anfetaminas ou drogas ilegais", disse, alguns anos atrás, o neurocientista Russell Foster à revista Época (9).

Esses resultados indicam que a Anvisa e outros órgãos do mundo irão liberar a modafinila para "aperfeiçoar o cérebro" de pessoas saudáveis? Dificilmente. Além das questões éticas, há outro problema: nós não sabemos quais são os efeitos da droga em longo prazo. "Não se sabe ainda que efeitos seu uso continuado pode provocar. É provável que a modafinila seja segura apenas se usada por curtos períodos", diz o neurocientista Russell Foster.

Os relatos de quem já usou o Stavigile
Esqueça as cenas do Bradley Cooper no filme "Sem Limites". O Stavigile não te transformará num super gênio. Como mostra o mais recente estudo sobre o remédio, porém, ele é, sim, capaz de aumentar o desempenho cognitivos nas tarefas intelectuais mais complexas, garantindo também maior aquisição de aprendizados. 

E, como já sabemos, a modafinila pode afastar a necessidade de dormir por muitas horas. No entanto, o sono é responsável por uma miríade de benefícios - como a própria consolidação de memórias, a "reorganização" e limpeza do cérebro para garantir que ele mantenha-se saudável e produtivo, além da reparação de todo o corpo. Usar o Stavigile para se transformar num zumbi é, certamente, prejudicial.

Nada melhor, porém, do que ler o que as próprias pessoas que usaram o Stavigile sentiram. Então, aqui vão alguns dos relatos sobre a droga:

Relato 1

"Sou estudante de Exatas e também trabalho como operador de máquinas. Conheci o Stavigile depois do filme Limitless. Conseguir a droga foi fácil: eu fui ao psiquiatra e simplesmente a pedi. Na primeira experiência, eu não percebi muita coisa. 

Eu só fui notar que o meu raciocínio melhorou depois da terceira dosagem. Essa melhora no raciocínio aumentou meu desempenho nas minhas tarefas. Eu faço uso de 100 mg. Não tenho visto malefício nenhum, além do preço da caixa - que é um pouco alto. 

Eu uso esporadicamente. Não tenho interesse algum em aumentar as dosagens, nem em usar continuamente. Assim, eu evito que meu corpo se torne tolerante aos efeitos do Stavigile. Só o uso quando eu realmente preciso".

Relato 2



"Tenho 34 anos e trabalho como analista de gastos e planejador orçamentário. Tenho uma vida muito corrida: além de trabalhar, também sou pai. Há mais ou menos 8 anos, eu fui diagnosticado com narcolepsia moderada e TDAH. Já usei a Ritalina, sob prescrição médica, mas me limitei a duas caixas até abandonar o tratamento. Notei uma melhora na narcolepsia com a prática de academia e muay thai.

No final de 2013, porém, a doença voltou com força total e me deixou muito abatido. Então, procurei outra vez por tratamento junto ao neurologista e refiz o exame de polissonografia. Já conhecia o Stavigile pelas pesquisas na Internet e me interessei pelo fármaco.

Fui ao neuro já com a ideia de solicitar a prescrição do Stavigile, mas nem foi preciso. Logo de cara, o médico disse que meu quadro era claramente ao de um narcoléptico e me receitou o Stavigile de 200mg por dia. Fiz uso dessa dosagem por seis meses, até passar para 400mg por dia (manhã e tarde). 

A minha primeira dosagem, com 200 mg, não trouxe nenhum efeito notável até a segunda semana de uso. A minha expectativa era de que me deixasse com a sonolência saciada, mais alerta. 

Porém, os principais efeitos foram: interrupção definitiva da paralisia do sono; foco bastante aumentado (mesmo sonolento); estímulo da vontade de trabalhar; aumento no desempenho da memória; reflexos dos sentidos mais acentuados; respiração menos ofegante quando em repouso; percepção analítica melhorada. 

Não senti tanta diferença na vigília, propriamente. O que foi mais perceptível é o aumento da concentração, foco, memória e um leve aumento da percepção analítica do que leio ou faço. Por exemplo, tomada de decisões rápidas e mais eficácia nas análises contábeis. Assim, meus sintomas de déficit de atenção foram mais alvos do Stavigile do que da própria narcolepsia.

Após aumento da dosagem, confesso que não senti muita diferença. Talvez eu tenha que aumentar novamente. Notei dois efeitos colaterais: aumento da gula e, de vez em quando, insônia (que ironia, um narcoléptico com insônia!). 

Não uso o Stavigile nem sábado e nem domingo. Estou na minha última caixa e vou fazer um intervalo por tempo indeterminado. Vou parar de usar o Stavigile e recomeçar minha rotina de exercícios e dieta. Os sintomas da narcolepsia eram bem menos severos na época em que fazia musculação e muay thai. 

Hoje, mesmo depois de fazer uso da modafinila diariamente, com uma dosagem de 400mg por dia, sou da opinião de que a narcolepsia é progressiva - ao contrário do que alguns médicos alegam. O retorno às atividades é pra ver o meu rendimento físico/mental sem a droga. Avaliar se a doença é ou não progressiva. Se o uso contínuo do Stavigile força aumento da dose para atingir a mesma eficácia.

Então, pra mim nem vai valer mais a pena, visto que o custo de uma caixa é mais de R$ 150,00 aqui no RJ. No mercado online, há pelo menos dois similares à modafinila - que são a adrafinila e a armodafinila - o primeiro bem mais em conta."

Relato 3
"Sou estudante, atualmente estudando para concurso. Sou bacharel em Direito. Meu interesse pelo Stavigile surgiu ao pesquisar no Google sobre a sonolência diurna. 

Todas as vezes que eu me engajo em tarefas que exigem atenção, como os estudos, assistir aulas e leituras, eu sinto uma forte sonolência e preguiça. Descobri, ao pesquisar, que o fármaco mais ideal para esse fim é o Stavigile.

Depois, eu fui ao médico. Exagerei para ele. Falei que eu tinha narcolepsia e consegui a receita do Stavigile. Simples assim. A minha primeira experiência com o Stavigile foi maravilhosa. Eu tomei um comprimido de 100 mg, o que me resultou num efeito inesperado: alegria, melhora no humor. O Stavigile me ajudou até a socializar. 

Além das mudanças positivas na motivação, eu não tive temo para notar nenhum benefício cognitivo. Só tomei a medicação três vezes. Nesse tempo, eu não tive nenhum efeito colateral. Nem ansiedade, nem dor de cabeça, nada de ruim. Só coisas boas. Pretendo continuar o uso em breve".

Relato 4
"Eu consegui a receita do Stavigile com uma Clínica Geral do SUS, que pode prescrever a receita amarela. Fiz uma consulta e disse que já tomava o Stavigile há um tempo. A médica prontamente me prescreveu. Consegui com a mesma médica a receita para a Ritalina LA de 20 mg.

Eu tomo ainda todo dia um comprimido cedo. Acordo às 5 horas da manhã, tomo café e, depois de bem alimentado, tomo o comprimido (na dose de 200 mg). O Stavigile me ajudou muito. Eu precisava estudar e me desconcentrava com coisas mais interessantes.

O Stavigile tira todo o meu sono durante o dia. Enquanto eu estou estudando, não tenho mais problemas com o cansaço. Os efeitos são bem agradáveis. O Stavigile realmente tira o sono e aumenta a atenção. Tenho que tomar, todas as noites, 15 gotas de Rivotril para conseguir dormir.

Uma vez ou outra, o Stavigile me deu diarreia. A médica disse que foi por causa da combinação com a Ritalina. Continuarei utilizando o medicamento, enquanto for necessário, na minha vida acadêmica. Tem pessoas que vivem a base de café. Toda técnica é válida..."

Conheça 16 nootrópicos: alternativas seguras ao Stavigile
Há drogas e suplementos que são considerados bem mais seguros para uso em longo prazo que o Stavigile. O melhor: não requerem uma receita para compra. São chamados de nootrópicos.

Os nootrópicos aumentam a memória, melhoram o humor, corrigem a desatenção e combatem a fadiga mental. Eles tem efeitos benéficos também em longo prazo. Com efeitos cumulativos, sua destreza mental apenas aumenta. São extremamente acessíveis - apesar de pouco conhecidos.


Se você quer conhecer 16 nootrópicos (e os estudos científicos que atestam sua eficiência), mais acessíveis e seguros que o Stavigile, não deixe de conferir o ebook "Turbine Seu Cérebro". Clique aqui para saber mais mais e comece a turbinar seu rendimento nos estudos, garantindo seu sucesso em vestibulares e concursos.

27 comentários:

  1. Vou postar o meu relato com relação a essa substancia tb. Eu usei durante 1 mês, em 2010, com o intuito de melhorar o meu desempenho para estudar para um concurso. Todos os relatos e textos que eu encontrava na internet eram positivos, continham pouca ou nenhuma informação que me levasse a crer que o medicamento poderia me fazer mal. Decidi comprá-lo. Logo na primeira vez que utilizei, fiquei com a mente bem focada, de uma maneira bem "não-natural". poderia passar minutos, sem perceber, parado olhando para um ponto qualquer ou uma rachadura na parede, sem pensar ou fazer nada, apenas... parado!! Bem, resolvi direcionar esse foco, então, para o que realmente interessava na hora: o estudo. Os meus olhos passavam rapidamente pelas linhas. Conseguia ler numa velocidade impressionante. E, pelo menos na hora, considerava que estava compreendendo tudo e armazenando as informações. Mas, quando ia tentar recordar ou contar para alguém alguma informação relativa ao conteúdo estudado, ele simplesmente não estava lá, pelo menos não de maneira clara. Na hora que eu via na apostila, no entanto, conseguia acertar as questões. Então, decidi continuar tomando. Esqueci de mencionar: cheguei a ficar 48 horas acordado sem qualquer sintoma de cansaço ou fadiga mental. Durante o mês, diria que a média de tempo em vigília ficou na casa das 36 horas, algo bem estranho para quem tinha o costume de dormir 10 horas por dia. Enfim, com relação às atividades sociais, todos os meus amigos me acharam estranho. Meio paranoico e distante, como se eu tivesse deixado de ser eu mesmo. Ficava olhando para o nada no meio das conversas, e encanava muito com assuntos irrelevantes. Acho que isso acontecia por causa do super-foco bizarro que o remédio induz. Qualquer assunto, por menos relevante que fosse, ocupava todo o espaço da minha mente, fazendo com que eu desse uma grande atenção a temas ou detalhes completamente irrelevantes. Tive também perdas de memória.. alguns "apagões", momentos e conversas que relatam os quais eu simplesmente não me lembro! Enfim, nem preciso dizer que a minha experiência com este medicamento foi bastante negativa! Alem do mais, não fui aprovado no concurso!! Fiquei com uma nota mediana! Este mês. eu estava procurando por experiências parecidas com a minha e encontrei no site erowid um relato de um cara que afirma ter perdido 2 anos da vida dele com este remédio em combinação com o piracetam, muito embora eu tenha certeza de que os efeitos se devam apenas ao modafinil, visto que o piracetam é um remédio bem seguro. O relato está em ingles. aqui está o link https://www.erowid.org/experiences/exp.php?ID=92932

    Concluindo, recomendo cuidado no uso dessa substância. Se quiser um nootropico que te ajude a estudar, fique com o piracetam! Tenho experiência com ele e só tenho elogios a comentar! Você não deixa de ser "vc", não tem apagões, melhora o humor, a inteligência, a sociabilidade, a capacidade de pensar e ter idéias brilhantes rapidamente(na forma de insigths) e, pelo menos no meu caso, acabou com o julgamento que eu tinha sobre as coisas. Parece que toda a energia que a mente costuma gastar com julgamentos, preconceitos e ideias idiotas passa a ser canalizada para pensamentos úteis e inteligentes. Somente elogios a tecer!!

    Bem, espero ter ajudado com o meu relato! Grande abraço a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Persio, assim como você eu também fiz uso da substância, quando li sobre o medicamento fiquei maravilhada, pois pensei: resolvi meu problema com o sono. Que nada! Só gastei meu dinheiro, tomei até 400 mg de uma vez só mas não diminuiu o meu sono e nem interferiu no meu humor, foco ou cognição. Gostaria de saber com quanto tempo de uso fez efeito para você, pois eu tomei uma semana, como não percebi nenhuma mudança parei tomar.

      Excluir
    2. quer morrer desgraça o recomendado e começar por 50 mg e tu tomas 400mg de vez pqp ai complica vc ja deve tar morta

      Excluir
    3. quer morrer desgraça o recomendado e começar por 50 mg e tu tomas 400mg de vez pqp ai complica vc ja deve tar morta

      Excluir
    4. eu indico no maximo 100mg.. mais primeiro a pessoa tem que limpar seu intestino e figado.. procura no youtube sobre a limpeza .. não adianta nada voce mandar stavigille pra dentro sendo que todos seus receptores estão bloqueados. o efeito depois de tudo limpo é sensacional.. mais se quer uma melhora significante estude bastante. ele vai fazer você pisar o pé no acelerador e voar.. você vai perceber que todo mundo estar lento demais

      Excluir
  2. Eu consegui resolver um algoritmo de programação com a ajuda dele. Estava a dias tentando faze-lo. A receita era para minha mulher mas peguei um só pra ver. E funcionou.

    ResponderExcluir
  3. Todos os estudos até então apenas confirmam a melhor performance cognitiva em indivíduos privados de sono. E, de fato, a resposta de cada um à substância varia muito.
    Aproveito para indicar aos interessados uma pesquisa: modafinil causando síndrome de Stevens-Johnson (mortalidade é de 50%).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem defender a utilização da modafinila, mas a ciência não diz isso. A modafinila melhora a concentração, o aprendizado e as funções executivas em indivíduos saudáveis, sem privação de sono, em tarefas cognitivas complexas. Essa foi a conclusão de uma meta-análise divulgada recentemente, no European Neuropsychopharmacology. Para conferir o texto: http://www.europeanneuropsychopharmacology.com/article/S0924-977X(15)00249-7/abstract

      Além disso, é verdade que a modafinila pode causar a síndrome de Stevens-Johnson, mas isso é raro. Outra droga que também causa isso, com a mesma frequência, é o paracetamol (vendido comumente como Tylenol) - medicamento de venda livre no Brasil.

      Excluir
    2. li também isso mas foram em pessoas com menos de 17 anos, em pessoas adultas não ouve nem uma alteração.

      Excluir
    3. li também isso mas foram em pessoas com menos de 17 anos, em pessoas adultas não ouve nem uma alteração.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Esse estudo usou alguns dados que, se olhar com calma verá que nas Matrizes Progressivas de Raven Avançadas (um teste de inteligência fluída não verbal), não houveram diferenças significativas entre o grupo do placebo e o grupo de controle. Tem um estudo da Dra. Randall que supõe que os "ganhos" do modafinil dependem da capacidade de cada um, quanto maior a capacidade, menor o efeito.

    http://emilkirkegaard.dk/en/wp-content/uploads/Cognitive-effects-of-modafinil-in-student-volunteers-may-depend-on-IQ.pdf

    Esse artigo expõe o erro de se tirar conclusões precipitadas do artigo da Dra. Anna-Katharine Brem:

    "Results were mixed and depended on the difficulty of the matrices. Modafinil made no difference on the easiest or the hardest puzzles. The drug did increase scores for the grids of medium difficulty, mostly for those who scored low in the pre-drug test; it made little difference to participants who nailed the matrices on their first try."

    http://www.nature.com/nature/journal/v531/n7592_supp/full/531S2a.html


    Aqui abaixo tem um estudo mais recente que conclui que o modafinil não melhora as capacidades cognitivas globais de pessoas saudáveis (foi feito no Chile com alunos de Medicina). Além dos testes padrão, foi usado o BCET:

    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26135067

    E uma discussão interessante no Reddit:

    https://www.reddit.com/r/Nootropics/comments/3bzrm3/effects_of_modafinil_on_attention_performance/

    Não estou dizendo que o modafinil não tenha efeitos positivos na cognição ou performance. Mas assim como o metilfenidato (Ritalina, Concerta e etc...) que tem muitos efeitos positivos, a maioria dos estudos chegam a conclusões inconsistentes entre si. O cérebro humano é bem complicado.

    Tomara que façam mais estudos com testes mais apropriados tanto com o metilfenidato quanto com o modafinil.

    ResponderExcluir
  6. Já tomei a substância e é inegável que, na maioria dos casos, promove uma melhora na concentração e no estado de vigília, claro que alguns indivíduos terão efeitos adversos ou não notarão diferença, especialmente as substâncias que agem no cérebro têm essa característica de não agir de maneira uniforme. Não acredito que haja ganhos na "inteligência", mas essa não é a questão, já que o foco é a melhora em outros aspectos, já citados, e a consequente melhora da produtividade.

    ResponderExcluir
  7. Vendo remédios em geral sem receita com frete grátis!!!
    Whats 34991406231
    Vitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. Oi pessoal, tem um cara que diz vender o medicamento sem receita mas é mentira, pq este medicamento não se vende assim, só com a receita carimbada e assinada por um médico neurologista. Digo isso pq uma amiga caiu no golpe dese sem vergonha, ela pagou o valor de 180,00 reais ele falou que iria chegar em 2 a 5 dias o medicamento e já fazem 3 a 4 meses e nada. Ela depositou com o nome de Vinicuis Souto, vi o numero agora aqui no site "Cerebro turbinado", pedi a ela o numero e, conferi com o mesmo numero que vi agora que está com o nome de Vitor, liguei para saber como se estivesse interessada em comprar, por telefone ele me deu o nome de Tiago.

    ResponderExcluir
  9. otimo! estou estudando sobre o modafinil e vou testar... uma dica! estude bem sobre a substância que pretende testar em seu organismo, vale muito mais que indicação médica! e mais importante cada organismo responde ligeiramente diferente ou seja não espere resultados exatos! aprenda com a substância abra a mente para estuda-la!!! e se querem comprar stavigile ou qualquer outro remédio nao precisam dw médicos, apenas um computador uma caneta e impressora!!! façam suas receitas existem modelos aos montes... na farmácia não existe sistema de consulta de receita!!! apenas vai para arquivo... a muitos anos faço isso!! mas lembre-se esteja preparado para realizar sua experiência com sabedoria!!!

    ResponderExcluir
  10. Quando preciso render bastante. Produzir, estudar e fazer as coisas este medicamento me ajuda e muito. Fico mais centrado no que faço é rendo muito mais.

    ResponderExcluir
  11. Não é brincadeira! Tomei pela primeira vez hj de manhã uma dose de 200 Mg. Pasmem! Fiquei com um sono incontrolável e dormi por 40 minutos até meu celular despertar. Acordei e continuo com sono... Parece piada, mas não é!!

    ResponderExcluir
  12. Esses blogs são criados pela própria indústria farmacêutica. Não sejam tolos.

    ResponderExcluir
  13. Sou representante farmacêutico e vendo stavigille para todo o Brasil com frete grátis. Whats 988089942

    ResponderExcluir
  14. Tenho uma caixa de stavigile pra vender. Tomei 3 apenas, então ainda tem 27 comprimidos de 200mg. Quer quiser comprar, entra em contato comigo pelo e-mail kelly_casarin@hotmail.com

    ResponderExcluir
  15. Sou representante farmacêutico e tenho stavigille, ritalina é vários outros medicamentos para vender, envio para todo o BRASIL. WHATS 34988089942

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora é wellington. Ali em cima era Vinicius

      Excluir
  16. Tenho uma caixa de Stavigile pra vender 200mg, tomei 5 comprimidos, ainda tem 25comp, é original, paguei 230,00, vendo por 150,00, interessados entrar em contato pelo e-mail: gabi_tj@hotmail.com.

    ResponderExcluir
  17. Eu já tomei STAVIGILE para estudar para concursos e foi incrível! Apenas 200mg por dia. Ficava o tempo todo focado e bem disposto. Cheguei a ler um livro grande e complexo em 48 horas! Não precisa tomar altas doses nem tomar todos os dias. Pode-se intercalar os dias ou tomar dois dias por semana. Dormir é importante, qualquer exagero é prejudicial. Seja ponderado! ESTAVIGILE faz milagres se for bem administrado.

    ResponderExcluir
  18. Felipe,se tomar um xomprimido6de 100 mg por dia, justamente para estudar pra um concurso que ocorrerá em menos de um mês, será que vale a pena o investimento?

    ResponderExcluir