sábado, 7 de novembro de 2015

Noopept: o racetam definitivo - PARTE I - Nasce um novo nootrópico

*POST ATUALIZADO NO DIA 08/11/15


DISCLAIMER: O Noopept não é registrado na Anvisa. Exceto sob autorização de um médico, não importe e faça uso dessa substância. Esse artigo tem apenas fins de conhecimento e debate.

Entenda porque o fármaco russo é 1000 vezes superior ao velho piracetam!
*OBS: Quimicamente, o Noopept não é da classe dos racetams, porque não tem um anel pirrolidônico em sua estrutura. Funcionalmente, contudo, o Noopept é agrupado na família racetam.
É difícil fugir de certas imagens mentais ao falar sobre  Moscou. É um desafio não pensar, por exemplo, na vodca - bebida usada para aplacar o terrível frio russo. Como não lembrar, por exemplo, do semblante severo de Vladimir Putin - um dos políticos menos sorridentes do mundo?

A prestigiada cientista Rita
Ostrovskaya, que comanda pesquisas
sobre o Noopept desde os anos 90
Mas nem só de vodca, caras fechadas e frio de rachar vive a Rússia. Se você quiser desconstruir essa imagem, experimente visitar os corredores da Academia Russa de Ciências Médicas. Por lá, você poderá esbarrar com essa senhora da foto que, do alto dos seus 83 anos, mantém o vigor e a energia de um adolescente.

O Instituto de Farmacologia é praticamente a segunda casa de Rita Ostrovskaya - uma viúva, pesquisadora e professora que trabalha por lá há mais de cinco décadas.

O sobrenome estranho parece inevitavelmente trazer à memória a imagem da frieza e austeridade russa. Mas não é nada disso: essa prestigiada cientista carrega sempre um sorriso no rosto. Em entrevista a um podcast americano (vale a pena ouvir se você fala inglês), Rita conta, entre risos: "Eu tenho uma mente muito ativa e tenho interesses em vários assuntos. Eu trabalho no Instituto de Farmacologia, e então, venho para casa, durmo um pouco. Umas cinco horas depois, já estou de novo perto de um computador".

A razão para esse dinamismo e lucidez não é apenas manter a mente ativa. O segredo de Rita tem nome e apelido: (respire fundo antes de proceder à leitura) éster etílico de N-fenilacetil-L-prolilglicina - ou simplesmente Noopept. 

Você já deve ter lido em algum lugar que trata-se de uma molécula "1000 vezes mais poderoso que o piracetam" (e discutiremos isso mais a frente). Fato é que Rita Ostrovskaya usa a substância há muitos anos (assim como esse que vos escreve está usando neste momento). Ela parece mais sóbria que muitos jovens (e eu sinto uma facilidade incrível para encontrar as palavras e redigir o texto).

domingo, 1 de novembro de 2015

Em breve, novidades no blog: Noopept!


Eu sei que posso parecer um autor ausente - já que há muito tempo não publico aqui. Mas garanto, aos mais de 200 visitantes que diariamente passam pelo blog - mesmo sem as atualizações - que o meu "sumiço" é por uma boa causa!

Nesses últimos 7 dias, eu tenho feito uma excursão pela literatura científica que trata do Noopept. Sim, aquela estranha droga da Rússia que supostamente seria 1000 vezes mais forte que o piracetam. 

No meu próximo artigo - que será publicado esta semana - eu irei elucidar para você os benefícios e as vantagens desse nootrópico praticamente desconhecido no Brasil. Totalmente traduzido do "neurologuês" para o português bem claro.

Também relatarei sobre como comprei o Noopept e a minha experiência com ele.

Adianto que mesmo os mais entendidos do assunto ficarão de queixo caído com o meu próximo artigo. Eu irei expor informações que estão bastante "enterradas" na literatura científica - e que todos os sites em inglês que falam sobre nootrópicos deixaram passar.

Aos leitores, eu agradeço pelos comentários e emails, que são sempre muito bem-vindos (responderei-os com toda a atenção que merecem em breve). Quem quiser estender a leitura, pode abrir o meu ebook digital, o Turbine Seu Cérebro. Dá um clique aqui para você conhecê-lo.

Até breve!