terça-feira, 10 de novembro de 2015

Noopept: o racetam definitivo - PARTE II - Mecanismo de ação do Noopept


ATENÇÃO: neste artigo, há um relato do autor David Len da inalação do Noopept. O blog não endossa esse uso. Além de desnecessário (o Noopept, usado oralmente, tem alta absorção e chega ao cérebro intacto), a inalação do Noopept pode também ser perigosa à saúde. Siga as recomendações de um profissional da saúde ao usar qualquer fármaco ou suplemento.

Londres tem mais de 8 milhões de habitantes. É uma cidade que fervilha e que não para. Opções de divertimentos? Não faltam. Escolha: você pode visitar os famosos cartões postais, pubs, museus, teatros, cinemas, exposições, estádios de futebol e concertos. No olho do furacão, bem no centro da cidade, está a prestigiada London School of Economics (LSE).

Praticamente uma babel moderna, esse prestigiado centro acadêmico reúne estudantes e professores de mais de 145 países. É uma confusão de línguas, sotaques e gírias num só lugar. Além do desafio linguístico, a LSE é extremamente exigente com seus alunos. Thais Tartalha, brasileira que fez intercâmbio por lá, relata ao Demografia Unicamp:
Você tem de aprender a lidar com uma grande exigência sobre o que você faz e com respeito a prazos relativamente curtos (...). A acuidade metodológica é quase uma obsessão na LSE (...). A crítica daqui é sempre no sentir de tentar fazer você ter mais acuidade e tem dias que você tem vontade de sair chorando, mas te de engolir seco (...).
Biblioteca da London School of Economics
A LSE exige uma extensa lista de pesquisa e leitura - tudo disponível no rico acervo de sua biblioteca. Os respeitados (e afortunados) estudantes da LSE, no entanto, tem seus truques para enfrentarem o inevitável desgaste mental: Noopept. Quem conta é um dos acadêmicos da própria LSE, David Len, num artigo ao The Tab:
Eram 2 horas da manhã e eu estava preso na biblioteca da LSE mais uma vez, exausto e lutando para terminar o meu trabalho - que tinha que ser entregue em apenas oito horas. Bocejei pela centésima vez e decidi ir ao banheiro para jogar uma água no rosto.
Mal sabia que aquela pequena caminhada mudaria minha vida para melhor.
No banheiro, encontrei um rapaz do segundo ano do meu curso, inclinado na pia e cheirando um pó branco. Parei, em choque, quando ele me viu e perguntou: 
"Quer um pouco?". Quando eu me recusei, ele disse: "Não é o que você pensa. Isso é Noopept, uma smart drug lícita, da Rússia. Experimente. Eu prometo que você não vai se arrepender. Me ajuda a enfrentar (os estudos)."
David Len, da LSE, acabou gostando daquela estranha droga russa. Foto: David Len - The Tab

 Depois de hesitar um bocado, o autor conta que decidiu experimentar a droga misteriosa. Resultado:
Duas horas depois, eu tinha em mãos o melhor trabalho que eu já tinha escrito. E mais que isso: foi tão fácil! (...) O Noopept não apenas aumenta minha percepção dos acontecimento, como também aguça meus sentidos de visão, audição e olfato. Me ajuda a memorizar (...). Eu até mesmo passei a gostar das aulas e responder às perguntas em vez de ir para o mundo da Lua.

Noopept: a molécula da inteligência?

Os estudantes da LSE não estão sozinhos na experimentação com o Noopept. Relatos como o de David Len difundem-se em fóruns e comunidades (em inglês) especializadas em nootrópicos. Produzido pela primeira vez nos laboratórios da Academia Russa de Ciências Médicas, o Noopept logo ganhou o mundo - especialmente universidades exigentes e escritórios competitivos. Hoje, é possível importar a substância no Brasil para uso próprio.

Mas a que se deve essa viagem de um recipiente de laboratório até ao cérebro de tantas mentes brilhantes espalhadas nos centros acadêmicos mais renomados do mundo? Há alguma razão plausível para essa popularidade do Noopept? O Noopept consegue mesmo deixar alguém mais inteligente?

Vamos por partes. Essa pergunta não é tão simples quanto alguns sites estrangeiros que apenas querem vender o Noopept fazem parecer. O conceito de "inteligência" é bastante subjetivo - pergunte o que isso significa para três pessoas e você terá três respostas diferentes. Estamos falando de gabaritar uma prova da faculdade? Ou então "inteligência" é conseguir memorizar e estabelecer conexões lógicas entre vários capítulos de um livro? Mais foco? Ou então ser mais inteligente é ter bastante lábia, fluência verbal e, com isso, um poder enorme para comunicar ideias e persuadir pessoas?

Não há pílula da "inteligência" (digo no sentido de ter benefícios notáveis em vários aspectos cognitivos de uma só vez). Nenhum NZT-48 que transformá asnos em Einsteins. Mas a realidade não é nem um pouco desanimadora. Há uma variedade de nootrópicos - cada um com seus benefícios. Também parece haver sinergia entre alguns deles - ou seja, há combinações que terão mais benefícios do que o uso de um único nootrópico isoladamente.

Dito isso, a pergunta precisa ser reformulada. O questionamento que deveremos fazer é: quais são os "alvos cognitivos" específicos do Noopept? O Noopept consegue aumentar pelo menos uma entre as várias faculdades intelectuais? Uma pessoa saudável usando Noopept conseguiria otimizar seu desempenho cerebral em alguma tarefa?

A resposta sincera é: nós não sabemos. Antes que você feche a página desapontado, não sabemos porque nunca houve testes clínicos em humanos saudáveis. Apesar disso, é um fato de que o Noopept é um poderoso neuroprotetor - salvaguardando as suas preciosas células cerebrais de agentes tóxicos e também da baixa oxigenação. O efeito antioxidante e de combate à neurotoxicidade não necessariamente significa ganhos notáveis nos poderes cognitivos, mas já é suficiente para chamar a atenção (1).

Vamos continuar a explorar a questão.

Naqueles que tem as suas funções cognitivas prejudicadas, o Noopept já foi extensivamente estudado. Tanto que é vendido na Rússia e em países vizinhos sem prescrição médica para tratar desde abuso de álcool até o AVC isquêmico (publicarei no blog, em breve, a bula traduzida para o português). Num leque bem grande de patologias neurodegenerativas, o Noopept conseguiu restaurar a memória e a capacidade de aprendizado.
Os doentes, então, comprovadamente, melhoram suas capacidades cognitivas. Mas os saudáveis - sem problema cognitivo algum - poderiam usufruir dos mesmos benefícios? 

Felizmente, todas as evidências indicam que sim. Não há como negar que o Noopept é extremamente promissor. O fármaco continuará na penumbra até que os testes clínicos em pessoas saudáveis sejam feitos. Mas, pelo menos, não estamos na escuridão total. Há muitas razões para crer que o Noopept é um melhorador cognitivo. A própria ciência conseguiu lançar alguma luz no mistério.

O Noopept já foi testado em culturas de células - e, por isso, é possível entender, num nível biomolecular, como esse nootrópico age. E os estudos em ratos "saudáveis" são mais que animadores. Os testes em roedores tem um excelente poder de prever como determinada molécula agirá no nosso organismo.  

Depois de tantas ressalvas, agora chegou a hora de explorar os supostos (e muito prováveis) benefícios do Noopept:

Memória de elefante
Já foi demonstrado que ratos saudáveis que receberam o Noopept tiveram um aumento considerável de BDNF e NGF no hipocampo (2). Essa é uma área do cérebro que podemos dizer, grosseiramente, que é o nosso "centro da memória". Mas qual é a significância desse aumento?

Essas duas proteínas são como fertilizantes cerebrais. Eles acompanham os seus neurônios durante toda a vida: são fundamentais para o nascimento, crescimento, reparação e sobrevivência das células do seu cérebro. 

Só que, além dessa função crucial, o BDNF e o NGF também fortalecem as sinapses - a comunicação entre os neurônios. Quando seu cérebro recebe um estímulo qualquer - uma nova informação - ele não seguirá uma rota definida. Irá percorrer diversos caminhos - pulando de neurônio em neurônio. Quanto mais forte for a conexão entre os neurônios, mais fácil será ativa aquele mesmo circuito cerebral que a informação percorreu e, com isso, resgatá-la mais tarde.

O aumento dos níveis de BDNF e NGF no hipocampo aumentam a capacidade do cérebro de absorver novas informações, guardá-las e, mais tarde, resgatá-las. Em outras palavras: o cérebro consegue aprender mais.

É justamente isso que pesquisadores da Academia Russa de Ciências Médicas demonstraram, em 2002 (3). Eles utilizaram um teste - o da esquiva inibitória, ilustrado abaixo - para verificar a memorização dos ratos. Os roedores foram colocados numa câmara dividida em dois compartimentos: um iluminado e outro escuro. Eles poderiam transitar livremente entre as duas partes da câmara. 
Teste da esquiva inibitória

Os ratos, porém, tem uma tendência natural de escolher os ambientes escuros. Mas essa preferência dos roedores custou caro: o chão do compartimento escuro estava preparado para dar um pequeno choque elétrico nos ratos por alguns segundos. 

24 horas depois desse treino, os ratos são colocados novamente na câmara - no compartimento iluminado. A intenção é que eles lembrem que o ambiente escuro é "perigoso" e evitem adentrá-lo. Os cientistas, porém, estipularam um prazo de 300 segundos de permanência no compartimento claro. 30-35% dos ratos não conseguiram ter sucesso no teste. Então, para os pesquisadores, eles tinham algum déficit ou dificuldade na capacidade de aprender - apesar de não serem considerados doentes.

Esses ratos foram divididos em dois grupos: um grupo recebeu Noopept, a 0,5mg/kg 9 dias antes e durante uma nova sessão de treino; e outro grupo recebeu apenas um placebo. O resultado foi surpreendente - e foi estatisticamente significante. Nenhum dos animais que recebeu placebo conseguiu melhorar no teste. No entanto, 62,5% daqueles ratos que haviam utilizado o Noopept atingiram sucesso - foram capaz de resgatar o aprendizado de que o compartimento escuro seria perigoso.

Outro estudo (4) também verificou aumentos no desempenho cognitivo de ratos saudáveis que haviam usado o Noopept. Usando um teste que verificava a memória espacial (The Morris Water Maze), o Noopept mostrou exercer - na palavra dos pesquisadores - "uma influência positiva e modesta no comportamento e aprendizado de ratos normais".

Outras ações farmacológicas
Já foi observado que o Noopept aumenta a sensibilidade dos receptores de acetilcolina em células saudáveis (5). A acetilcolina é um neurotransmissor comumente alvo de drogas anti-Alzheimer. Muitas drogas dessa categoria são colinérgicas: isto é, aumentam a acetilcolina. Esse mensageiro químico - que é reduzido em pacientes do Alzheimer - está envolvida na memória, no aprendizado e na atenção. 
O fortalecimento das sinapses é fundamental para a consolidação de memórias
O Noopept também tem outro efeito importante: ele favorece, no hipocampo, a ocorrência de LTP (6). Essa é uma sigla em inglês que traduzida, significa "Potenciação de Longa Duração". O nome parece complicado, mas o efeito da modulação da LTP é o mesmo que vimos acima, com o BDNF e o NGF. A LTP auxilia na formação de conexões mais fortes e duradouras entre dois neurônios. Quando os neurônios estabelecem comunicações mais robustas, a memória - e a recordação - é, mais tarde, favorecida.

Conheça o e-book "Turbine seu Cérebro"

No meu e-book "Turbine Seu Cérebro", eu discuto a fundo sobre como extrair o máximo do piracetam. Explico em que situações, numa pessoa saudável, o piracetam pode ser útil - e quais são as formas de maximizá-lo.

Mas, além disso, você irá conhecer também sobre outros nootrópicos - vários fármacos, acessíveis, que são capazes de promover efeitos notáveis na memória, concentração, motivação e na produtividade. O "Turbine Seu Cérebro" é justamente sobre o aumenta da capacidade do seu cérebro. Clique aqui e aprenda!

Em breve
No próximo artigo, informações jamais publicadas antes em sites especializados em nootrópicos: um mostrarei um benefício incrível do Noopept, recém-descoberto. Esse "benefício" pode representar uma nova era no campo das pesquisas de aumento cognitivo.

Ainda, aprofundarei na explicação sobre o BDNF e o NGF - num nível biomolecular - mas do jeito mais simples possível para o entendimento do leitor.

PS:
*Próximo artigo em breve!

22 comentários:

  1. Muito Bom. E o seu resultado com o uso do Noopept.. Como tem sido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou relatar a minha experiência com o Noopept em breve. Posso adiantar que o Noopept tem sido muito positivo. Notei melhoras na memória - mas as diferenças mais notáveis, para mim, são no humor.

      Excluir
    2. Vc ta usando oque ultimamente ?
      Qual são suas preferências ?
      Ta usando só noopept ?

      Excluir
  2. Cheirado o Noopept é absorvido melhor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A inalação do Noopept é, na melhor das hipóteses, apenas desnecessária. Isso porque estudos de farmacocinética mostram que esse composto é muito bem absorvido pelo corpo e chega praticamente intacto ao cérebro quando usado oralmente (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10977920). O Noopept tem alta biodisponibilidade - um estudo notou que ele tem "alta resistência à atividade enzimática", isto é, não é "quebrado" e inativado ao passar pelo trato gastrointestinal.

      O tempo para atingir efeito, na via oral, também aparenta ser muito curto - da ordem de 15 a 30 minutos (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10977920).

      Na pior das hipóteses, além de desnecessário, a inalação do Noopept pode também ser prejudicial à saúde. Nenhum estudo científico analisou a segurança desse uso.

      Irei colocar essa observação no artigo. Obrigado por ter levantado a pergunta.

      Excluir
    2. biodiponibilidade oral do noopept é apenas 9%

      source: https://mega.co.nz/#!sJZEmCzJ!Q5VNgBHRLbEDl9Tz6jSUDGgZrflox09TJivWIoa_CDg

      The absolute bioaccessibility was on the average AUC p.o./ AUC i.v. = 9.33 +-1.30%, which is evidence of a pronounced effect of the “first passage” via the gastrointestinal tract and the liver. In comparison with rats, rabbits are characterized by slower absorption of the parent substance, which is manifested by an almost twofold increase in MRT and by decrease in the C max AUC 0 ratio in the latter case.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Caro Matheus, tenho visitado seu blog com regularidade, tanto que faz parte dos meus favoritos.
    A maior dificuldade que tenho encontrado é a de conseguir comprar os medicamentos estudados.
    Agora você parece ter encontrado o Santo Graal para os que precisam estudar muito.
    Por favor, nos ajude a comprar o NOOPEPT.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RicDroves, agradeço pelas visitas ao blog! Garanto que, a partir da próxima semana, as atualizações desse espaço serão ainda mais frequentes.

      Quanto ao Noopept, ele só pode ser comprado via importação - pois não existe no Brasil. Nos Estados Unidos, o Noopept é vendido e muitos fabricantes enviam ao Brasil. Um bom vendedor é a New Star Nootropics.

      Excluir
    2. Tem algum link para compra online?

      Excluir
  5. Matheus, adquiri teu ebook e achei-o uma excelente fonte de informações! Você fez um excelente trabalho ao compilar todos aqueles dados. Há que atualizá-lo com o noopept. Quando o fizer, envie a nova versão de forma gratuita aos compradores anteriores, por favor ;-) Eu não uso Facebook e creio que muitos leitores ou não usam ou não se sentem à vontade para fazer negócios com um total desconhecido. Para estes, bem que você poderia montar um grupo de importação do noopept... Até se for somente para eu e você, já pode contar comigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leonardo, fico muito satisfeito com o seu feedback do ebook Turbine Seu Cérebro. É bom saber que você gostou do material :D

      Eu pretendo, sim, atualizar o ebook em breve - acrescentando informações sobre os 16 nootrópicos, após a revisão de novos artigos científicos. Essa nova cópia revisada deve ficar pronta no início do ano que vem. E, sim, irei avisar sobre a nova cópia e reenviar o material gratuitamente a quem já adquiriu o ebook.

      Quanto ao Noopept, é meu desejo que ele se torne cada vez mais acessível - preferencialmente, que alguma empresa tente registrá-lo no Brasil. No entanto, não tenho planos de montar um grupo de importação nesse espaço. Além do João, é possível importar o Noopept diretamente do site da New Star Nootropics. Até onde eu saiba, as pessoas que o fizeram tiveram sucesso com a chegada do Noopept ao Brasil, sem quaisquer problemas alfandegários.

      Excluir
  6. O uso do noopept traz algum tipo de problema se usado a longo prazo ??

    ResponderExcluir
  7. O uso do noopept traz algum tipo de problema se usado a longo prazo ??

    ResponderExcluir
  8. Prezado Matheus,
    Agradeço e parabenizo pelo conteúdo disponibilizado.
    Gostaria de saber, conforme o conhecimento que você levantou, aproximadamente, quantas mg de Alpha GPC 50% são necessárias para combiná-la com 5mg de Noopept e obter uma diminuição de possíveis dores de cabeça?
    Ainda, a New Star Nootropics não vende colina, você sabe alguma loja de confiança para importação? A "Power City" é confiável?
    Desde já,
    Agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eplocler em flaconetes tem 100 mg de colina. Pode usar de boa.

      Excluir
  9. Matheus,
    Quanto tempo duram os efeitos do Noopept? Li que apenas 60-90 minutos.... é isso mesmo?

    ResponderExcluir
  10. Vendo NOOPEPT (Star Nootropics) !!!!
    10g (rende aproximadamente 1.000 doses) 50,00 reais
    5g (rende aproximadamente 500 doses) 25,00 reais
    Um dos melhores notrópicos!!!
    Envio para todo o Brasil.
    E-mail para contato: kikasantos387@gmail.com

    ResponderExcluir