sábado, 23 de janeiro de 2016

Quando usar colina é inútil

O uso de suplementos alimentares deve ser determinado por um nutricionista. Esse artigo tem somente ideias e opiniões leigas sobre Nutrição - para fins de informação e debate. Não serve para orientação dietética ou médica.

Um guia de como não urinar o seu dinheiro se você usa suplementos para otimizar a síntese de acetilcolina


Existe uma frase popular em inglês que diz "Don't miss the forest for the trees". O ditado basicamente significa que não se deve focar tão obcecadamente em detalhes a ponto de se esquecer do panorama geral. Quando os nootrópicos são o assunto da roda de conversa, o ditado do inglês é digno de recordação.

Quer um exemplo? O alvoroço que se faz em torno da colina - em especial entre os usuários de racetams. Inegável que os que fazem uso do piracetam põem uma pressão extra no sistema colinérgico. Isso porque o nootrópico é capaz aumentar o uso (e, assim, a depleção) do neurotransmissor acetilcolina - que tem um importante papel na memória.

Então, deve-se atentar para a ingestão de colina? Sim, só que oferecer colina ao cérebro é só uma parte de uma equação com muitas (e muitas!) variáveis. O seu cérebro - nem seu corpo - é tão simples a ponto de trabalhar na função linear de "mais colina = mais acetilcolina". As reações biomoleculares não são como uma ilha - uma gama delas se relacionam - e a função matemática é bem mais desordenada. Teoria do caos pura.



Variáveis colinérgicas
"Gráfico" mostrando a relação entre consumo de colina e síntese de acetilcolina
Primeiro: você deve considerar a absorção das diferentes fontes de colina. Virar três flaconetes de Epocler - que oferece colina numa forma salina pouco biodisponível - irá lhe garantir uma urina mais cara e um bolso menos cheio. Ainda que a colina chegue ao seu sangue, ela ainda deve atravessar a barreira hematoencefálica (uma proteção que divide seu sangue do cérebro). Algumas formas - como a citicolina e o Alpha GPC  - são mais poderosas em chegar ao destino esperado.

Próximo: digamos que uma onda de colina ou de um precursor dela chegue ao seu cérebro. Agora, a produção de acetilcolina vai às alturas, certo? Não exatamente. Dependendo das suas necessidades metabólicas, a maioria da colina adicional que está sendo provida pode ser desviada para produzir fosfatidilcolina, que é um componente das membranas que revestem seus neurônios (também muito importante).

Agora vamos supor que (finalmente) a colina seja desviada para a produção do neurotransmissor acetilcolina. Mas para gerar acetilcolina no cérebro você não precisa apenas de colina. Aquele "acetil" no início do nome não está por lá apenas porque algum químico achou que seria um enfeite. Você também precisa de acetil - e isso é muito negligenciado.

Nos neurônios, é uma importante molécula chamada de acetil-CoA (acetilcoenzima A) que dá à luz colina. Pois é, eu te disse que seu cérebro não é um maquinário tão simples assim. Então vamos deixar a panaceia da colina de lado e focar no acetil (que está cansado de ser ignorado nos fóruns).

Todas as atenções ao grupamento acetil
Construção da acetilcolina requer a vitamina B1 (tiamina), a fim de criar a acetil-CoA. A CoA é criada a partir da vitamina B5. Imagem adaptada daqui.
Primeiro, acetil-CoA não é algo que você suplementa. O seu corpo já produz acetil-CoA aos montes, naturalmente, no processo de conversão de carboidratos em energia. A glicose que você ingere é quebrada durante o metabolismo energético e dá origem a moléculas de piruvato. Essas moléculas de piruvato, finalmente, formam acetil-CoA.

A conversão piruvato ---> acetil-CoA acontece numa série de reações químicas de nome não menos complicado (respire fundo): complexo multi-enzimático piruvato desidrogenase. O complexo de reações químicas tem a atividade mais alta no hipocampo - que, não à toa, é a parte do cérebro mais envolvida na formação de memórias de longo prazo. O importante aqui é saber que a vitamina B1 atua como um cofator nessas reações que transformam piruvato em acetil-CoA.

Fonte
Tradução: você só vai produzir suficiente acetil-CoA - usada para produzir a acetilcolina - se tiver vitamina B1 suficiente. "Então, se eu me entupir de colina, mas ser deficiente em vitamina B1, não vou aumentar muito minha produção de acetilcolina?". É isso mesmo.

Para te ajudar a colocar um pouco desse papel da vitamina B1 em perspectiva, considere este estudo que observou os efeitos de uma dieta carente em tiamina durante 7-8 semanas. Antes que eu me esqueça: tiamina é um nome mais sério para vitamina B1. Esse estudo foi feito em ratos (por motivos óbvios, porque não é muito ético deixar humanos com deficiências nutricionais e ver o que acontece).

Os ratos ainda receberam chá, que aumenta a eliminação de vitamina B1 pelo corpo (aproveitando a oportunidade: o cafezinho também acelera a excreção de B1). Pois não apenas o resumo do estudo conta que esses ratos desenvolveram "sintomas neurológicos", como também relata uma queda vertiginosa na produção de acetilcolina. Houve 60% de diminuição na síntese do neurotransmissor.

Fonte
Como se não fosse bastante, você ainda precisará de vitamina B5 (o nome inteligente dessa vitamina é ácido pantotênico ou pantotenato) no mix químico de produção de acetilcolina. A B5 é utilizada na síntese da coenzima A (CoA), que por sua vez, dá às mãos ao grupo acetil, gerando acetil-CoA. Como você já sabe, parte da produção de acetil-CoA é desviada para gerar a acetilcolina - com a doação do grupo acetil.

A acetil-CoA é uma peça do quebra-cabeça comumente deixada de lado pelos biohackers e afins. Mas ela tem uma magnitude importante na saúde do cérebro. Estudos tem sugerido que mantem níveis ótimos de acetil-CoA nos neurônios é um dos fatores mais importantes na prevenção de doenças neurodegenerativas. A acetil-CoA faz (muito) mais que caridades na produção de acetilcolina. Ela é peça chave na nossa produção de energia.

Moral da história: suas vitaminas Bs são muito importantes. E, para fins de desempenho cognitivo, tem um monte de outros micronutrientes (vitaminas e minerais) que também são fundamentais. Para conhecer melhor as funções de cada um deles no cérebro - e também onde encontrá-los - o meu ebook Turbine Seu Cérebro condensa todas essas informações. Confira clicando aqui. 

Quer mais uma variável nisso tudo? Uma pesquisa recente mostrou que as pessoas com baixos níveis de ômega 3 no sangue não usufruem tanto dos efeitos das vitaminas do complexo B.

Como a acetil l-carnitina otimiza a construção de acetilcolina

Mas voltemos a focar na produção de acetilcolina. É um bom momento para comentar o papel de um nootrópico - a ALCAR (acetil l-carnitina) - nessa história toda. Lembra da acetil-CoA? Pois a  doação do grupo acetil à colina só é feita com a ajuda de uma enzima chamada de colina acetiltransferase (para simplificar, chamemos de ChAT).

Para entender, pense em enzimas como "operárias" no seu maquinário celular. Cada uma cumpre uma função bem específica - e a da ChAT é intrínseca à produção da acetilcolina. O nome "colina acetiltransferase" já é autoexplicativo: essa enzima é como uma cola que une a acetil e a colina - o resultado não poderia deixar de ser o neurotransmissor acetilcolina.

A acetil l-carnitina é capaz de estimular essa colagem (e, por isso, ela é comumente usada combinada aos racetams). Além de ser um doador em potencial de grupos acetil, a ALCAR é capaz de aumentar a atividade da enzima ChAT. Então, a ALCAR faz com que esse operário biológico - a colina acetiltransferase - pegue mais duro no tranco: levando mais acetil para se ligar à colina. Com isso, a ALCAR consegue aumentar a síntese de acetilcolina.

A ALCAR faz bem mais que isso. Eu falo mais a fundo a respeito desse suplemento (e de outros 15 nootrópicos) também no Turbine Seu Cérebro.

Uma rápida receita antinootrópica
Aproveitando essa conversa toda, vai uma receita para colocar seu cérebro sob muito estresse - sob a desculpa de melhorar o desempenho cognitivo.

Ingredientes
Piracetam
(Doses cavalares de) cafeína
Colina
Carência de B1 e B5

Instruções
Alimente-se muito mal - esqueça cereais integrais, oleaginosas e carnes. De modo contraditório, preocupe-se em ingerir colina suficiente, mas na forma de suplementos. Use bastante cafeína (em especial na fórmula de cápsulas, a fim de não usufruir dos antioxidantes e outros compostos do café). Usando-a com o piracetam, você irá favorecer um aumento da liberação de acetilcolina no cérebro.

O objetivo é colocar seu sistema colinérgico em exaustão - esgotando ao máximo, dentro do biologicamente possível, a capacidade de criar mais a acetilcolina. Ao mesmo tempo, põe-se enorme pressão para liberar acetilcolina mais e mais. O piracetam parece ajudar a sensibilizar alguns receptores de acetilcolina - mas, com tão pouca acetilcolina disponível, você irá suceder em experimentar poucos benefícios nootrópicos.

Conclusão

Brincadeiras a parte, isso serve para mostrar que focar num único passo biológico - e esquecer todos os outros que interagem e se relacionam com esse - é uma rota para o desastre. E olha que só visitamos a síntese da acetilcolina. Outros importantes cenários que devem ser considerados são a reciclagem de colina (high-affinity choline uptake) e a destruição de acetilcolina (por vias enzimáticas).

A propósito, a colina está na forma de lecitina na gema do ovo. A gema ainda é boa fonte de vitamina B5, contendo um pouco de vitamina B1. Os cereais integrais são as melhores fontes da B1. De modo geral, mais vale se preocupar em comer muito bem (com alimentos variados) do que focar em um único micronutriente de tantos. Suplementos são bem-vindos - mas, como o nome mesmo diz, não estão em primeiro lugar.

Em tempo: não temos o Alpha GPC, nem a citicolina de modo tão acessível no Brasil. Esses dois são fontes "nobres" de colina - que guardam consigo até mesmo benefícios nootrópicos único. Em geral, o que temos são suplementos que apenas garantem que não haja deficiência (você não "sentiria" nada com eles - apenas garantiria um nutriente que seu cérebro precisa). A lecitina é uma opção melhor de suplemento do que cloreto, citrato e bitartarato de colina. Assim que possível, dou continuidade ao Guia de Colina para Calouros.

TEXTO: Matheus Pereira
IMAGEM: Thauan Mendes

16 comentários:

  1. Matheus, a cada texto você se supera em conhecimento e facilidade em passá-lo. O mundo dos nootrópicos é realmente fascinante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zilso, é muito bom receber esse elogio. Digo isso porque meu maior objetivo é transmitir informações de maneira simples, de fácil entendimento. Fico feliz em saber que estou alcançando isso. Abraço

      Excluir
  2. Matheus, a cada texto você se supera em conhecimento e facilidade em passá-lo. O mundo dos nootrópicos é realmente fascinante.

    ResponderExcluir
  3. Matheus, parabéns pela postagem; gostaria também de agradecer pelo blog, pois aqui encontramos informações escritas de uma forma fácil para o entendimento e, para quem é leigo, isso influencia muito.
    Parabéns novamente, e um muito obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou eu quem agradeço pelo tempo que usou para me escrever. Eu me sinto feliz em saber que os textos são de fácil compreensão. O objetivo é mesmo esse. Obrigado pela leitura

      Excluir

  4. Eu to precisando de nootropicos pra me ajuda a reter mais informações ,memorização e PA aguenta uma rotina pesada , to pensando em toma noopept 3 messes sim e um não nesse intervalo de 1 mês vo usa sunifiram e aos fins de semanas usa só Fluromodafinil durante 10 messes . que VC acha uma boa ? Tem algum que posso incerir nesse ciclo ou deveria tira algum ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tanto sunifiram quanto o fluoromodafinil são drogas experimentais. Sabemos muito pouco sobre os seus efeitos. Não há nenhum ensaio clínico em humanos que tenha avaliado a segurança do sunifiram, nem do fluoromodafinil. Em outras palavras: não é uma boa. Pelo contrário.

      Excluir
  5. Nossa cara, você consegue traduzir todo o "neurologuês" pra uma linguagem relativamente fácil de ser sintetizada!

    ResponderExcluir
  6. Olá Matheus, estou há dias lendo seu blog afim de fazer uso do piracetam para melhoramento do meu desempenho cerebral (concentração, aprendizado, memória) em função do hipotireoidismo e tireoidite de hashimoto que desenvolvi há 4 anos e me trouxe um decréscimo nessas áreas, me prejudicando bastante. Mesmo repondo o hormônio, não sinto melhoras gerais nesse quesito, é como se meu cérebro tivesse ficado muito mais lento e preguiçoso. Estou começando uma nova faculdade e quero muito ter bom rendimento, assimilar bem o que eu aprender, me ajudar nos estudos. Vi que você estuda na UFRJ, também sou do Rio, e gostaria de saber (além de tirar umas dúvidas que vou colocar abaixo) se você conhece algum médico (neurologista / endocrinologista / nutrólogo) por aqui que tenha afinidade com a pesquisa e o uso de nootrópicos pois queria fazê-lo com orientação e acompanhamento médico. Creio que somente com indicação vou encontrar esse profissional, pois de outra forma seria como achar uma agulha no palheiro e gastar muito dinheiro com consultas médicas inúteis. Se você puder fazer indicações, seria de grande valia não apenas para mim mas para muitos aqui do Rio que estão buscando o mesmo.

    Sobre minhas dúvidas com o uso do piracetam e seus combinados:

    Eu li (não me lembro a fonte) que o piracetam pode alterar os níveis de TSH, T3 e T4 (hormônios da tireóide), você sabe algo sobre isso? E se sim, saberia dizer o quanto isso poderia ser prejudicial para quem tem hiper ou hipotireoidismo? Eu faço uso de levotiroxina sódica diariamente, o piracetam poderia prejudicar minha terapia hormonal?

    A suplementação com colina através da lecitina de soja não é a melhor opção para pessoas que fazem reposição hormonal por interferir na absorção desses hormônios, logo, que outras boas fontes de colina (além da alimentação - ovos e outros já citados) poderiam ser utilizados neste caso? No caso de somente usar da alimentação para suplementar, como seria ideal? Por exemplo, comendo ovos, o quanto eu teria que comer diariamente para equilibrar essa equação? Não tenho ideia.

    Como um substituto melhor da colina (lecitina de soja) você indica a citicolina. Imagino que por não ser da soja seja o ideal para o meu caso. Você faz uso dela né? Pesquisei e achei em algumas farmácias uma caixa com 15 comprimidos a 200 reais!!! É isso mesmo? Fiquei chocada! Em compensação achei um único polivitamínico que incluía a citicolina (200mg) ao preço de R$77,90. Achei caro, porém mais razoável. Você recomenda? O ideal seria ingerir 500mg diárias, né? Mas você acha que esses 200mg valem a pena ou seria melhor substituir por outro suplemento (como por exemplo comer mais ovos)? E qual? PS: Se você puder indicar onde você compra a citicolina, agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Oi Ingrid, vi aqui seu problema sobre a questão de hipotiroidismo e quis te ajudar.
      Não comece combatendo o problema pelo seu sintoma, que é justamente essa desregulação de hormônios, mas sim o que é causado.
      O metabolismo aumentado com o uso desses remédios/suplementos, causam sim alterações em hormônios e no alto consumo de nutrientes, por isso é importante uma alimentação adequada, variada e bem nutritiva.
      No caso, a desregulação da tireoide, a principal deficiência que está ligado a ela é o mineral Iodo.
      Aqui no Brasil temos alimentos muito pouco nutritivos com esse mineral o que torna o problema maior. Ele pode ser encontrado em algas marinhas (temakis, sushis, enfim a maioria das comidas japonesas, por serem frutos do mar), mas como eu não como isso sempre, tenho o suplemento do Iodo, chama-se Lugol 5%... Recomendo, além de ser eliminadores de metais pesados no corpo, contribui para estabilizar o Iodo no corpo, que a principal função é justamente regulação da tireoide.
      Recomendo também a alimentação do mineral Selênio, com a ingestão de uma a duas Castanha do Pará que supri a necessidade diária.
      No mais, gostaria de recomendar que varie sua alimentação, como Matheus sempre comenta, a fim de obter a diversidade de nutrientes que eles podem beneficiar a você tanto de vitaminas, quanto sais minerais.

      Excluir
  7. Ola Mateus, grata pelo artigo. Tenho TDAH , tomo 20 mg de rubifem de manha em jejum, e 20 mg de tarde...de noite tomo 1200 mg de piracetam sem colina...sera que ha alguma interaco entre as drogas? Quando tomo 20 mg de rubifen em jejum nao tenho efeito colateral negativo.Mas qdo tomo de tarde,sinto dores de estomago.sera que devia tomar uma dose unica de manha?grta!

    ResponderExcluir
  8. Ótimo blog parabéns .. Uma pergunta Matheus Pereira as vitaminas Bs podem meio que substituir a colina então ????? Eu estou quase comprando Citicolina e fiquei na duvida... Vou fazer Stack usando citicolina e poderia substituir pela a vitamina Bs e seria praticamente o mesmo???

    ResponderExcluir
  9. Olá, Matheus, comecei a tomar piracetem na segunda feira (11/09/17) hj dia 15, não senti nenhum efeito... senti muito sono e alguma dor de cabeça fraca. Fui numa farmácia de manipulação e comprei colina, somente colina. Acha que estou tomando certo? Tomei dose de ataque por dois dias, E não percebi nada além de sono. Poderia me dar uma maior orientação?

    ResponderExcluir
  10. coguinitos muinto bom tra naser cababelo deveriam pesquisar mais esse remedio

    ResponderExcluir
  11. Olá Nathan, você continua tomando o piracetam + colina, hoje dia 28/09/2017, já sentiu algum efeito?

    ResponderExcluir