terça-feira, 25 de outubro de 2016

Fenilpiracetam: o segredo soviético para a inteligência - parte 1

A história e os efeitos de um dos mais poderosos nootrópicos já sintetizados


Às 16 horas, minha mente funcionava como uma máquina velha, com as suas engrenagens girando a duras penas. Eu não conseguia me concentrar e desviava o meu foco de uma coisa para a outra. Meu cérebro era uma orquestra sem maestro, com um batalhão de músicos inquietos. Não bastasse isso, eu também adoraria cochilar. Só que eu não poderia empurrar mais com a barriga aquele trabalho da faculdade.

Às 16 horas e 30 minutos, era como se todas as engrenagens tivessem sido bem azeitadas. Minha mente era ainda uma máquina - mas que funcionava a todo vapor e que eu era operava. A orquestra agora era conduzida por um maestro que conduzia os instrumentistas a uma sinfonia coerente. Sono? Não, apenas uma grande satisfação em completar o meu trabalho, pouco a pouco.

O que havia acontecido entre as 16h e 16h30?

Resposta: eu havia usado 200 mg de fenilpiracetam - substância descrita como "um nootrópico que melhora a condição física e a cognição", na literatura científica. Molécula relativamente jovem, nasceu na antiga União Soviética, onde se tornou uma espécie de medicamento.