quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Minha experiência completa com a sulbutiamina, o nootrópico estimulante



Há alguns anos, comecei a me aventurar pelo mundo dos nootrópicos - substâncias neuroprotetoras capazes de aguçar as habilidades cognitivas. 

A minha primeira experiência foi com o piracetam. Com o piracetam, parecia que várias lâmpadas se acendiam na minha mente. Era como se eu alcançasse um grau maior de lucidez. Mais tarde, com alguns dias de uso, notei outros efeitos bem curiosos - em especial, maior facilidade para escrever textos e também um sutil ganho de memória.

Apesar de inegavelmente eficaz, o piracetam não era uma droga maravilha. Se eu tivesse usado o piracetam com o objetivo de me tornar o rapaz do filme Sem Limites, eu teria ficado desapontado. O piracetam não é um estimulante - não irá envigorá-lo e deixá-lo "ligadão". Alguns pacientes podem até mesmo apresentar sonolência com o seu uso.


Na busca por um nootrópico que amenizasse o cansaço que, inevitavelmente, acompanhava a época de preparação para o vestibular, conheci a sulbutiamina - vendida nas farmácias brasileiras como Arcalion (em embalagem e drágeas similares as da foto acima). Os relatos nos fóruns estrangeiros faziam 1001 elogios aos efeitos psicoestimulantes desse nootrópico.


A sulbutiamina é um nootrópico muito peculiar. A maioria dos nootrópicos tem como indicação oficial, na bula, tratar algum distúrbio cognitivo. São seus usuários que usurparam esse propósito primário e, em vez de buscarem reverter um déficit intelectual, utilizam os nootrópicos a fim de ampliar as capacidades do cérebro - com base nos estudos que avaliaram os efeitos dessas drogas em indivíduos saudáveis. Com a sulbutiamina, não.

Saudades, sulbutiamina
A bula diz que a sulbutiamina serve para a astenia. Esse é o nome chique e técnico para se dizer "cansaço". Na sociedade moderna de hoje, quer sentimento mais universal e humano que cansaço? Alguns trabalhos dizem que a prevalência de astenia na população em geral seja de 65%. Arrisco dizer que entre vestibulandos, concursando, graduandos e "trabalhandos" seja ainda maior...

A exaustão psíquica e física pode levar a dificuldades de concentração e menor produtividade no trabalho ou nos estudos. A sulbutiamina, segundo a própria bula, seria o elixir para isso. Soam até poéticas as palavras dos fabricantes: 
"Arcalion (sulbutiamina) é um medicamento que atua no sistema nervoso central e neuromuscular, agindo como fator natural de resistência física, de eficiência intelectual e de equilíbrio psíquico".
Apesar do discurso floreado, não eram apenas falsas promessas. Outra coisa que distingue a sulbutiamina dos demais nootrópicos: os seus efeitos são imediatamente perceptíveis, mesmo nas doses padrão. Muitos sentem-se decepcionados com os nootrópicos porque eles demoram semanas para produzir efeitos notáveis. Caso clássico é o da Bacopa monnieri, que, confirmam vários estudos, provoca aumentos significativos na memória... Após seis a oito semanas de uso.

Deixei o café de lado
Com a sulbutiamina, os primeiros 600 mg (tomados de manhã, junto do café-da-manhã - a gordura auxilia a absorção da droga) reproduzem, com certo retardo de quase uma hora, os efeitos de uma xícara do café mais forte que você já provou na vida. Na verdade, a comparação é injusta. Se o café fosse um Fusca, a sulbutiamina seria uma Ferrari. 

Arcalion (sulbutiamina)
Com a sulbutiamina, tem-se os benefícios do café, mas eles são potencializados. O cansaço e a indisposição - mesmo após uma noite mal dormida - se desmancham conforme a sulbutiamina alcança maiores concentrações no cérebro. 

A sulbutiamina também aumenta sensação de vigília e aguça o alerta: concentrar-se fica mais fácil. A droga parece tornar o raciocínio mais ligeiro e a mente afiada. Tudo isso, sem os contras da sobreestimulação que a cafeína causa. Ansiedade? Nervosismo? Não comigo (embora as respostas individuais variem, é claro) - apenas a bem-vinda energia física e mental.

É bem verdade que os efeitos do Arcalion beiram à euforia em especial nas primeiras vezes - não à toa, surgem tantos relatos em inglês do seu uso como um "lubrificante social". A propósito, um estudo notou que a sulbutiamina melhora o "funciomanento social" de pacientes depressivos. Mas isso não se traduz em agitação. Segundo a bula da sulbutiamina, ocorrem raramente, em 0,01% a 0,1% dos casos, "tremor, mal-estar, cefaléia, agitação".

Progressivamente, eu notei que desenvolvi alguma tolerância aos efeitos psicoestimulantes iniciais. Enquanto outros nootrópicos costumam ter efeitos cada vez mais evidentes com o passar dos dias, eu sentia que a sulbutiamina era o reverso! 

Os efeitos de intensa energia mental se atenuavam com o tempo
Não que ela me deixasse, pouco a pouco, com uma mente mais letárgica - ainda abolia o cansaço com eficácia. Mas era como a sulbutiamina não fosse aquele café fortíssimo de antes (numa analogia péssima, era um chá verde). Os seus efeitos eram mais sutis, mas ainda estavam lá.

Isso era bem coerente com as experiências que eu lia em fóruns estrangeiros. Os usuários relatavam que a sulbutiamina tinha um efeito incrivelmente distinto no início e que os seus efeitos se dissipavam. 

O regime que mais fez sentido para mim - e que era usado pela maioria dos usuários de nootrópicos - era o de deixar a sulbutiamina no banco de reserva. Nos momentos de maior indisposição, poderia-se usar a sulbutiamina por volta de três dias. 

Nesse período, seus efeitos envigorantes eram muito distintos. Ao fim desse tempo de lua-de-mel, os usuários interrompiam o uso da sulbutiamina. A tolerância parecia acabar tão rápido quanto surgia - após mais dois dias, a sulbutiamina e seus efeitos cafeínicos voltavam com força total.

Como algumas alegrias costumam durar pouco, o próprio laboratório fabricante, o Servier, suspendeu a venda do Arcalion no início de 2015. Alegaram que o produto obteve "resultados fora das especificações no teste de estabilidade acelerada" - o que, convenhamos, não esclarece muita coisa.

Para a minha felicidade, a produção foi restabelecida no segundo semestre desse ano. As caixas amarelas de Arcalion retornaram às prateleiras das farmácias em bom momento. A astenia atinge níveis que você nem desconfia durante a faculdade de Medicina. 

Ah, a faculdade de Medicina...
Mesmo que você zele pelas suas oito horas de sono por dia e uma alimentação saudável, é difícil não virar algumas noites ao cursar Medicina. Inevitável ter sobreviver com 2 ou 3 horas de sono em alguns dias. Igualmente, tem horas que escapar do Restaurante Universitário requer muito esforço. Então, dá-lhe sulbutiamina!

Passei a reutilizar a sulbutiamina no segundo período de Medicina. Ao contrário do que eu fazia antes - e o que é quase norma entre os usuários de nootrópicos - parei de usá-la de modo intermitente, por curtos períodos de tempo. Abracei o uso da sulbutiamina em longo prazo.

Mesmo que a lua-de-mel medicamentosa se desmanchasse rapidamente, a união estável mostrou-se mais satisfatória ainda. Nunca havia tido a experiência de usar a sulbutiamina por períodos prolongados. Com mais de uma semana de uso, percebi que eu tinha muito mais ânimo em geral. 


A preguiça para iniciar tarefas era cada vez menor - e, com isso, eu conseguia concluir trabalhos bem dentro do prazo. A sulbutiamina me livrou das dores de cabeça de deixar tarefas para a última hora - e isso porque ela me tornava mais motivado para começá-las. E, mais ainda, a sulbutiamina me tornava mais bem disposto para continuar, quando normalmente eu já estaria me sentindo fadigado.

À esquerda: segundo semestre, com sulbutiamina. À direita: primeiro semestre - sem sulbutiamina. Ou quase isso.
Comparando esse começo do segundo semestre da faculdade com o primeiro semestre, eu noto que o meu desempenho acadêmico melhorou muito. Já obtive reflexos objetivos disso, com os resultados das avaliações. 

Mas o efeito que mais me surpreendeu: a sulbutiamina torna o estudar mais prazeroso. Esse foi um dos principais efeitos de longo prazo. Há simplesmente maior satisfação e realização ao virar as páginas dos livros.

A bula do Arcalion, inclusive, chama a atenção para um estudo científico que investigou os efeitos da sulbutiamina em estudantes em período de estresse. Esses estudantes apresentavam fadiga psicossomática - situação que pode causar lassitude generalizada, cansaço, menor capacidade de concentração e memória, bem como transtornos de sono. Confira os resultados do estudo:
Em estudantes, com fadiga psicossomática severa com interferência no desempenho universitário, especialmente em períodos cruciais de exames, a sulbutiamina melhorou a função cognitiva e resistência física, com redução dos níveis de ansiedade, sem registro de reações adversas como agitação ou dependência.
A sulbutiamina melhora a resistência física
Aproveitando o ensejo, a sulbutiamina parece aumentar tanto a motivação para se exercitar - aquele "empurrãozinho inicial" que às vezes é necessário para ir à academia - quanto o rendimento. Seja para ir um quilômetro ou uma repetição além, a sulbutiamina parece ajudar a extrair mais das sessões de treino físico. A droga parece postergar a fadiga.

Não à toa, a sulbutiamina é figurinha já conhecida em exames de doping de atletas. Em um estudo, pesquisadores disseram que acreditam que a sulbutiamina seja intencionalmente administrada por seus efeitos ergogênicos e moderadamente estimulantes.

Sulbutiamina ajuda a prevenir estresses conjugais, diz estudo
Outro efeito colateral da sulbutiamina é o aumento da libido - que é reportado, anedoticamente, por muitos usuários, tanto do sexo masculino, quanto do sexo feminino. Parece lógico que, ao aumentar a energia mental, a sulbutiamina também intensifique a energia sexual.

Curiosamente, há um estudo que avaliou os efeitos da sulbutiamina na disfunção erétil psicogênica. O nome remete aos casos de disfunção erétil causados por bloqueios psicológicos - como o cansaço, a ansiedade de desempenho, tensão emocional e o estresse. Por que não usar o famoso Viagra?

Essa droga atua na vasodilatação das artérias penianas e não no estímulo psicogênico (libido). Já a sulbutiamina, quando usada por trinta dias, porém, melhorou a função erétil em 16 de 20 pacientes. Os autores do estudo concluíram que a sulbutiamina é eficaz nos casos de disfunção erétil psicogênica.

Há também um estudo que evidenciou que a sulbutiamina melhora a formação de memórias de longo prazo em camundongos. Outro estudo, em ratos, notou uma melhora na memória num teste de reconhecimento de objetos. 

Não tão simples quanto parece...
Durante meus experimentos, não fiquei muito ciente dos efeitos da sulbutiamina na memória. Certamente, ela não me prejudicou - mas não posso dizer que notei melhoras, também. Só posso torcer para que os efeitos nos ratos se apliquem aos humanos. Um empurrãozinho químico no reconhecimento de peças anatômicas certamente seria muito bem-vindo.

ATENÇÃO: a sulbutiamina (Arcalion) é um medicamento - e possui efeitos adversos possíveis e contraindicações. O seu uso deve ser prescrito e acompanhado por um médico, sob risco de prejuízo da saúde em casos de automedicação. Há várias causas para a astenia que não a sobrecarga por trabalho - como a anemia e problemas tireoidianos. O médico deverá investigá-los. Esse artigo tem apenas fins informativos.

Quer saber mais? Confira meu e-book!


A sulbutiamina não é a única substância capaz de melhorar a motivação e a memória. Na verdade, há um arsenal de outras drogas - chamadas de nootrópicos - capazes de aumentar a cognição. São substâncias neuroprotetoras que podem melhorar a concentração, aprendizagem, raciocínio, resolução de problemas, planejamento e aniquilar a fadiga mental.

No meu e-book, o Turbine Seu Cérebro, relato todas as minhas experiências pessoais e revelo o parecer da ciência sobre os nootrópicos. Também discuto sobre os vários nutrientes que são fundamentais para o bom funcionamento do cérebro.

Tudo isso numa linguagem muito agradável e de fácil entendimento.

Clique aqui para saber mais sobre o e-book.

Leia também: Batalha das tiaminas - as diferentes formas da vitamina B1

Texto: Matheus Pereira
Imagens: Thauan Mendes (designer gráfico)

8 comentários:

  1. Usei a Sulbutiamina (600mg) após ler este post. Simplesmente incrível, após 1 hora e meia senti uma vontade de gastar energia, limpei o quintal que estava suno há muito tempo, fiz isso o dia todo, sem agitação, paenas tinha vontade de fazer. Nao notei vontade de leitura ou qualquer atividade intelectual, pois fui tentar ler mas queria fazer serviço manual. Dois dias depois tomei 200mg e nao senti efeito algum. Essa foi minha experiência com sulbutiamina. Agora quero testar os 600mg quando eu for banca de uma qualificação de mestrado e ver como será.
    Matheus Pereira, muito obrigado por compartilhar sua experiência com os nootropicos.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Matheus,é fantastico o medicamento,combino l-theanyna com a sulbi e vou longe,fico calmo e focado nos estudos, horas e horas seguidas estudano,tomo polivitaminico ao acorda e colina junto ao almoco e o dia rende

    ResponderExcluir
  4. Qual a melhor forma de intercalar o subultiamina afim de aproveitar melhor ela ?

    ResponderExcluir
  5. Qual é a dose usual de Sulbutiamina? Devo iniciar com 200mg ou com a dose de 400 ou 600mg?

    ResponderExcluir
  6. Estou tomando a 5 dias 200mg no café da manha e 200mg no almoço e até agora não ví diferença. Será que estou tomando pouco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toma 1 litro de pinga que ajuda

      Excluir
  7. Qual é melhor: sulbutiamina ou modafinil?

    ResponderExcluir