sexta-feira, 14 de maio de 2021

Efeitos do Alpha-GPC: o que é, mecanismo, eficácia e segurança

OBS: esse artigo discute a literatura científica e usos do alpha-GPC e seu conteúdo é meramente informativo. Não use nenhum suplemento ou medicamento sem recomendação médica.

Uma visão geral da colina e fontes de colina


Não há como falar do alfa-glicerilfosforilcolina (alpha-GPC ou alfa-GPC) sem falar da colina, nutriente essencial e crucial para a saúde do cérebro. A colina é a matéria-prima para fabricar acetilcolina – mensageiro químico envolvido com o aprendizado e memória – e de fosfatidilcolina, um componente da membrana que reveste os neurônios. A colina também exibe efeitos neuroprotetores e influenciaria a expressão de genes importantes para o aprendizado e processamento de memórias [1].

Daí porque a colina tem sido alvo de tantos estudos. Maior consumo de colina na dieta foi associado com melhor memória verbal e memória visual em pessoas saudáveis, numa pesquisa publicada no American Journal of Clinical Nutrition [2]No mesmo periódico, um trabalho recente identificou que maiores consumos de colina e fosfatidilcolina foram associados com melhor desempenho em testes de fluência verbal e memória. “Maior ingestão de fosfatidilcolina foi associada com menor risco de incidência de demência”, concluíram os pesquisadores [3].

Alimentos ricos em colina – em geral na forma de fosfatidilcolina – incluem a gema do ovo, grãos integrais, fígado, soja e frango. Entre os suplementos de colina, há os sais de colina – como bitartarato de colina, cloreto de colina e citrato de colina – que demonstram ser “menos eficazes em aumentar os níveis de colina circulantes, comparado a moléculas envolvidas na via biossintética da colina, como a lecitina (uma fonte de fosfatidilcolina)” [4], [5].

Por isso, suplementos de lecitina de soja – que fornecem fosfatidilcolina – são “12 vezes mais eficazes que sais inorgânicos de colina em aumentar os níveis circulantes de colina e manter os níveis elevados por uma duração mais prolongada (12 horas versus 30 minutos”[6]. Outra forma altamente biodisponível de colina é justamente o alfa glicerilfosforilcolina (alpha-GPC). Em jovens saudáveis, o uso de 500 mg de alpha-GPC mais que dobrou os níveis de colina circulantes, comparado ao placebo.[5]

O que é o alpha-GPC? - definição

O alpha-GPC é uma fonte de colina e um composto intermediário na via de “fabricação” de acetilcolina e fosfatidilcolina. Ocorre naturalmente em nosso corpo e também está presente em alimentos, como vísceras[7] e gema de ovo[8] e em menor teor na soja[9]. Nos Estados Unidos, o Alpha-GPC é vendido como um suplemento alimentar, com alegações de melhora das funções mentais - exemplo ao lado.

Já em alguns países europeus, o alpha-GPC é vendido como medicamento  sob prescrição – como o Gliatilin, na Itália, indicado para “distúrbios cognitivos primários ou secundários dos idosos, caracterizados por déficits de memória, confusão e desorientação, diminuição da motivação e iniciativa e redução das habilidades de atenção”. Pesquisas na Internet mostram que o alpha-GPC é comercializado por farmácias de manipulação no Brasil. Aparentemente o Alpha-GPC está regulado como suplemento alimentar pela Anvisa[10], mas a legislação é pouco clara.

Mecanismos de ação

Após a ingestão oral, o alpha-GPC “é convertido em fosforilcolina, uma forma metabolicamente ativa de colina, capaz de alcançar os terminais sinápticos colinérgicos, onde aumenta a síntese (fabricação) e liberação de acetilcolina”, segundo pesquisadores[11]. Em outras palavras, acredita-se que o alpha-GPC estimule a produção do neurotransmissor acetilcolina. Exemplo dessa ação: o alpha-GPC consegue reverter os problemas de memória e atenção causados pela escopolamina, uma droga anti-colinérgica[12].

Foto: Arquivo BioQui

A colina, cujos níveis são alavancados pelo alpha-GPC, ainda pode ser aproveitada para fabricar fosfatidilcolina – como vimos, uma peça-chave da membrana que reveste os neurônios. A integridade de tal membrana é fundamental para a transmissão de mensagens nervosas e formação das sinapses[13].

O efeito do alpha-GPC em elevar os níveis de colina é duradouro – até 30 horas, em testes pré-clínicos[14] e é superior ao da citicolina, quando se utilizam as mesmas doses pela via intramuscular, em humanos[15]. Em pacientes com demência vascular moderada, o uso de 1 g/dia de alpha-GPC por 3 meses mostrou-se mais eficaz que o uso de 1 g/dia de citicolina (ambos via intramuscular) em melhorar testes psicométricos e sintomas[16].

Efeitos cognitivos do alpha-GPC

Há algumas evidências que apontam que o alpha-GPC poderia beneficiar pacientes com doenças neurodegenerativas – indicação aprovada pelas agências reguladoras de países europeus. Por exemplo, um ensaio clínico publicado no Journal of Alzheimer Disease comparou pacientes com Alzheimer que receberam 1200 mg/dia de alpha-GPC associado a 10 mg/dia de donepezila (um medicamento convencionalmente usado nesses pacientes, que  atua impedindo a destruição da acetilcolina), com pacientes que usaram apenas a donepezila. Os pesquisadores concluíram que os pacientes sob a combinação tiveram melhora dos sintomas comportamentais e psicológicos. Enquanto o combo de alpha-GPC e donepezila reduziu significativamente os distúrbios de humor (depressão, ansiedade e apatia), a severidade e frequência desses transtornos aumentaram no outro grupo[17].

“Em resumo, o alpha-GPC tem efeitos significativos na função cognitiva com um bom perfil de segurança e tolerabilidade”, avaliam pesquisadores no Current Alzheimer Research.[18]

Na Europa, o Alpha-GPC (colina alfoscerato) é indicado para tratar distúrbios cognitivos

Outro grupo de pesquisadores – da Universidade da Flórida Central – examinou os efeitos imediatos e em longo-prazo (4 semanas) da ingestão de um suplemento contendo alpha-GPC em jovens saudáveis (em média, com 21 anos de idade) e fisicamente ativos. O suplemento, chamado “CRAM”, foi “desenvolvido para melhorar o tempo de reação e medidas subjetivas de alerta, energia, fadiga e foco” e contém alpha-GPC  (150 mg), bitartarato de colina (125 mg), fosfatidilserina (50 mg), niacina (vitamina B3; 30 mg), piridoxina (vitamina B6; 30 mg), metilcobalamina (vitamina B12; 0.06 mg), ácido fólico (4 mg), L-tirosina (500 mg), cafeína anidra (60 mg), acetil-L-carnitina (500 mg) e naringina (20 mg). [6]

Esse estudo demonstrou que jovens que consumiram o suplemento tiveram melhores tempo de reação – evidenciando um grau maior de atenção e respostas motoras mais ágeis – que o grupo que consumiu placebo, após uma sequência de exercício físico exaustivo. Esse efeito, porém, desapareceu após 4 semanas de uso. Além disso, os jovens que tomaram o “CRAM” tiveram maior  sensação de foco tanto imediatamente quanto após 1 mês de uso – enquanto o grupo que recebeu placebo teve piora do foco em ambos momentos, após sequência de exercício físico exaustivo. Porém, a combinação de vários ingredientes ativos nos impede de isolar os efeitos do alpha-GPC.

Em outro estudo com jovens (idade média de 21 anos), participantes relataram menores níveis de fadiga após a ingestão de 6 mg/kg de alpha-GPC, com níveis significativamente inferiores de cansaço aos de um grupo que recebeu placebo. O grupo que usou alpha-GPC também teve um impacto positivo no humor, superior ao placebo; e responderam de modo mais preciso a um teste de tempo de reação, comparado ao grupo placebo[19]. Porém, há estudos que não demonstraram nenhum efeito do alpha-GPC nas funções mentais de pessoas saudáveis.[20]

Efeitos do alpha-GPC no desempenho atlético

Possíveis benefícios do alpha-GPC no desempenho físico têm sido alvo de inúmeras pesquisas. A suplementação aguda com 600 mg de alpha-GPC aumentou os níveis de GH (hormônio do crescimento) após o exercício físico e o pico de força no supino, comparado ao placebo, em estudo publicado no Journal of the International Society of Sports Nutrition[21]. O uso de 250 mg de alpha-GPC promoveu maior velocidade máxima e potência mecânica em exercícios dos membros inferiores, em outro estudo.[22] Velocidade e força muscular em membros inferiores também foram beneficiadas pelo alpha-GPC em resultados de outra pesquisa.[23].

Segurança

Exibe um bom perfil de segurança, segundo pesquisa publicada na Food and Chemical Toxicology, em que estudiosos afirmam que o NOAEL (Nível Sem Efeitos Adversos Observáveis) do alpha-GPC é de 150 mg/kg durante 26 semanas. Em alguns ensaios clínicos, o alpha-GPC provocou queixas como azia, náusea ou vômito, insônia ou excitação e dor de cabeça.

O seu uso deve ser orientado por um profissional da saúde, sendo desaconselhada a automedicação.

Referências

[1] Neuroprotective Actions of Dietary Choline -- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5579609/

[2] The relation of dietary choline to cognitive performance and white-matter hyperintensity in the Framingham Offspring Cohort – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22071706/

[3] Associations of dietary choline intake with risk of incident dementia and with cognitive performance: the Kuopio Ischaemic Heart Disease Risk Factor Study – https://academic.oup.com/ajcn/article/110/6/1416/5540729?login=true

[4] Lecithin consumption raises serum-free-choline levels – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/69151/

[5] Evaluation of the effects of two doses of alpha glycerylphosphorylcholine on physical and psychomotor performance – https://link.springer.com/content/pdf/10.1186/s12970-017-0196-5.pdf

[6] The effects of acute and prolonged CRAM supplementation on reaction time and subjective measures of focus and alertness in healthy college students – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3009695/

[7] L-α-Glycerylphosphorylcholine – https://pubs.acs.org/doi/pdf/10.1021/ja01184a031

[8] A novel structural analysis of glycerophosphocholines as TFA/K(+) adducts by electrospray ionization ion trap tandem mass spectrometry – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12203251/

[9] Choline and choline esters in human and rat milk and in infant formulas – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8839502/

 

[10] Anvisa, RESOLUÇÃO-RE Nº 26, DE 6 DE JANEIRO DE 2011 – http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/res0026_06_01_2012.html

[11] Safety assessment of AGPC as a food ingredient – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21414376/

[12] Effect of L-alpha-glyceryl-phosphorylcholine on amnesia caused by scopolamine – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/2071257/

[13] Absorption, tissue distribution and excretion of radiolabelled compounds in rats after administration of [14C]-L-alpha-glycerylphosphorylcholine – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8243501/

[14] Effect of a new cognition enhancer, alpha-glycerylphosphorylcholine, on scopolamine-induced amnesia and brain acetylcholine – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/1662399/

[15] A comparative study of free plasma choline levels following intramuscular administration of L-alpha-glycerylphosphorylcholine and citicoline in normal volunteers – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/1428296/

[16] A multicentre trial to evaluate the efficacy and tolerability of alpha-glycerylphosphorylcholine versus cytosine diphosphocholine in patients with vascular dementia – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/1916007/

[17] The Effect of the Association between Donepezil and Choline Alphoscerate on Behavioral Disturbances in Alzheimer's Disease: Interim Results of the ASCOMALVA Trial – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28035924/

[18] Choline alphoscerate (alpha-glyceryl-phosphoryl-choline) an old choline- containing phospholipid with a still interesting profile as cognition enhancing agent – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24156263/

[19] The Acute Effects Of Alpha-Gpc On Hand Grip Strength, Jump Height, Power Output, Mood, And Reaction-Time In Recreationally Trained, College-Aged Individuals – https://encompass.eku.edu/etd/518/

[20] The effects of alpha-glycerylphosphorylcholine, caffeine or placebo on markers of mood, cognitive function, power, speed, and agility – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4595381/

[21] Acute supplementation with alpha-glycerylphosphorylcholine augments growth hormone response to, and peak force production during, resistance exercise – https://jissn.biomedcentral.com/articles/10.1186/1550-2783-5-S1-P15

[22] Evaluation of the effects of two doses of alpha glycerylphosphorylcholine on physical and psychomotor performance – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5629791/

[23] The effect of 6 days of alpha glycerylphosphorylcholine on isometric strength – https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26582972/

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário