domingo, 5 de junho de 2016

Respondendo aos céticos sobre nootrópicos: um manual

Afirmar que não existem estudos que fundamentem o uso de nootrópicos em pessoas saudáveis é ignorar anos de Ciência. Clique aqui para ler mais.

Não tem novidade nenhuma aqui. Dizer a alguém que você tem interesse em nootrópicos – ou outras intervenções que visam melhorar a capacidade cognitiva – sempre traz à tona respostas prontas e pensamentos  de quem nunca pesquisou a respeito do tema, mas quer, mesmo assim, opinar com aparente bom senso.

Uma reportagem de TV –  como a que foi ao ar no Fantástico (TV Globo) de hoje – com menos de meia hora de duração e voltada às massas certamente ajuda a popularizar o tema. Só que não necessariamente enriquece o debate racional escorado em evidências científicas o sobre os nootrópicos, podendo embaralhar conceitos e confundir as pessoas.

Para responder os questionamentos e confusões comuns sobre o tema, embarquei na ideia do excelente website Smart Drugs Smarts e elaborei um “manual” de como debater com os céticos. Eu espero esclarecer alguns conceitos e injetar certos conhecimentos que são fundamentais para qualquer conversa inteligente sobre os nootrópicos. A edição é do excelente designer gráfico Thauan Mendes (clique para conferir seu trabalho).











Quer saber mais? Confira meu e-book!


Certamente, vale a pena se aprofundar nos nootrópicos e nas intervenções capazes de aumentar a cognição. O propósito dos nootrópicos é preservar o cérebro e, ao mesmo tempo, a depender da substância, melhorar funções como concentração, memória, aprendizagem, raciocínio, resolução de problemas, planejamento, fadiga, motivação e bem-estar.

Eu investigo - em textos científicos e por meio de experiências pessoais - a eficiência e a segurança dos nootrópicos, no meu e-book, o Turbine Seu Cérebro. Os vários nutrientes que são fundamentais para o bom funcionamento do cérebro também são discutidos.

Além de lhe oferecer as minhas experiências pessoais com os nootrópicos, eu também mostro os vereditos da ciência sobre 16 nootrópicos: como eles atuam no cérebro e em que situações eles são úteis. Tudo isso numa linguagem muito agradável e de fácil entendimento.

Clique aqui para saber mais sobre o e-book.

12 comentários:

  1. Matheus, acompanho seu blog há tempos e nunca deixei comentário ou nada do tipo. Contudo depois da matéria de ontem não posso deixar de parabenizá-lo pelo seu trabalho incrível, tenha certeza que você ajuda milhares de pessoas mesmo sendo tão novo.
    Dá pra perceber que a comunidade médica não se preocupa em estudar ou ao menos conhecer os efeitos dos nootrópicos, por isso é importante que pessoas como você continuem estudando e aprimorando os conhecimentos numa área tão importante.
    Obrigado pelo trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado por seu grande reconhecimento e pela estima aue demonstrou pelo meu trabalho. De fato, se a comunidade médica brasileira for representada pelos doutores que apareceram no Fantástico de ontem, então o debate sobre nootrópicos é muito pobre. Eu espero contribuir em tudo que possível para mudar esse quadro. É sempre muito bom ler aos comentários dos meus leitores, ainda mais um igual ao seu. Sinta-se à vontade para aparecer por aqui mais vezes

      Excluir
  2. Ainda bem que não dependemos mais da televisão como um dos únicos meios de informação, porque o teor da reportagem colocou as pessoas que usam nootrópicos como loucos ou pessoas ingênuas sendo enganadas como aquele taxista que comprou aquela suposta droga milagrosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ismael, de fato, a reportagem foi pouco esclarecedora, superficial e recheada de lugares-comuns. Curiosamente, eu havia publicado uma matéria condenando o Genius X, que foi usado pelo motorista, dias antes. Pena. O trabalho poderia ter sido muito mais informativo e útil.

      Excluir
  3. Matheus,

    Faz um post comparando o que você falou ao reporte e o que foi ao ar.
    Tenho certeza que você, assim como o Luiz, foi vítima da tesoura sensacionalista da Rede Bobo.

    ResponderExcluir
  4. Matheus,

    Faz um post comparando o que você falou ao reporte e o que foi ao ar.
    Tenho certeza que você, assim como o Luiz, foi vítima da tesoura sensacionalista da Rede Bobo.

    ResponderExcluir
  5. Prezado MAtheus.
    Sou usuário dos nootrópicos Há 2 anos; já realizei diversos testes e combinaçoes e hoje tenho meu stack de preferência.
    Estou sempre de olho em suas publicações e quero parabeniz-lo pelo eximio trabalho.

    GOSTARIA DE SABER MAis SOBRE O PRL-8-53. Sei que é experimental, que há poucas informações etc.

    Porém, gostaria que mencionasse o que sabe sobre, se ja usou, infs, experiencias etc.

    Não encontrei nada por aqui a respeito.

    Cordialmente, JCA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jurandir poderia trocar ideias, meu e-mail jacquelinepmoraes@gmail.com

      Excluir
  6. Boa noite Matheus!

    Eu queria muito contato com vc em particular, pois tenho duvidas constantes sobre o uso de Piracetam.
    Se puder me contate pelo email: ericktsouza@gmail.com
    Ou se preferir me passe o seu email!!

    Desde já agradeço!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Aguardando atualização...Loading

    ResponderExcluir
  9. Nootrópicos para atingir seu objetivo é necessário homeostase ou não?
    Exemplo: Desequilíbrio hormonal não inibem a ação dos Nootrópicos?

    ResponderExcluir